Buscar
  • Franciele Maftum

O que você pode fazer para se irritar menos

“Como eu posso me irritar menos? Existe uma maneira de eu me irritar com menos frequência ou com menor intensidade?”

Sim, existe! Essa é uma questão de várias pessoas e, nesse texto, vou falar um pouco sobre como você pode se irritar menos.

Muitos acham que ser uma pessoa irritada é uma característica da personalidade (sempre foi irritadinho, sempre foi esquentado, sempre foi assim). A irritação não é uma característica de personalidade, nós não nascemos irritados, mas, nascemos, muitas vezes, com pré-disposição para sentir mais medo, para sentir mais nervosismo, para sentir mais insegurança, mas isso não quer dizer que a gente nasça com uma pré-disposição para se irritar mais. A irritação não é uma emoção pura, ela já é um sentimento filtrado, ou seja, é algo que já demos significado.

A primeira coisa que precisamos saber para se irritar menos é que, muitas vezes, muitos de nós ficamos irritados sem perceber, porque já nos acostumamos com esse estado de humor, então, é importante você perceber os sinais da sua irritação (subir o tom de voz, aumento do fluxo sanguíneo, batimento e sudorese alterados, pensamentos acelerados).

A irritação tem um movimento físico e um movimento de pensamento diferente. Basicamente, estar irritado é ficar com a paciência muito curta ou não ter muita paciência e ter, algumas vezes, crises de explosão. Mas, saiba que todos nós ficamos irritados, faz parte do ser humano.

O que fazemos para diminuir a frequência da irritação ou para não deixar que a irritação nos consuma? Que a gente passe um ou dois dias irritados e que não se torne uma característica da nossa personalidade?


Processo mental


A irritação é um aviso de descompasso, ou seja, toda vez que estamos irritados (com raiva, com falta de paciência, com um pouco de ansiedade) o que nós temos é um distanciamento entre algo que queríamos que acontecesse e que não está acontecendo e, muitas vezes, nos confundimos, pois não temos consciência do que sentimos e desejamos. Então, acabamos projetando no outro a nossa própria irritação.

Por exemplo: você está irritado porque a fulana te irrita; você está irritado porque o seu trabalho te irrita.

Geralmente, essa irritação não é pela outra pessoa, mas por um descontentamento de estar vivenciando essa situação ou estilo de vida ou um período de vida com o qual você não queria estar vivendo.

Por exemplo: em uma situação que você sente que a pessoa te irrita, o que te irrita é que mesmo que você não goste dela, está convivendo e escutando-a, sem fazer nada sobre isso.

A irritação tem muito mais a ver com aquilo que fazemos e sentimo do que, essencialmente, com outras pessoas e com outras coisas.

Obviamente isso não é uma regra. Existem coisas/pessoas que podem te deixar mais perturbados, mais nervosos, mas, esses casos, não se enquadram na irritação que estamos falando aqui.


Qual é a primeira coisa que você pode fazer para diminuir a sua frequência de irritação?


Você vai ter que fazer esse tratamento da irritação, situação por situação. Na próxima vez que ficar irritado, você deve se perguntar o que está acontecendo nesse momento da sua vida que não está te satisfazendo.

Por exemplo: é alguma situação no trabalho que você está vivenciando e não queria vivenciar; algo em sua casa ou na criação dos seus filhos; etc.

A irritação sempre tem uma resposta dessa inconformidade e, geralmente, de algo que não nos demos conta conscientemente, mas que, internamente, não desejávamos estar vivendo isso.

Pergunte-se sobre essa faceta da sua vida, sobre as coisas que você está vivenciando e sobre as coisas que podem estar acontecendo em descompasso e que acabam te frustrando.

Quando você estiver irritado, a primeira coisa que você tem que fazer é reconhecer: estou irritado, estou sem paciência.

Preste bem atenção: reconhecer que você está irritado, como sempre na regulação emocional, é o primeiro passo para que a sua irritação diminua. Se você fingir que não está irritado, você ficará mais irritado. Fingir que não tem nada acontecendo e que você está normal, mas, na verdade você esta irritado, você irá ficar nervoso, ansioso, estressado, vai descontar em compulsões, vai acabar desenvolvendo outras questões emocionais.

Não engula a sua irritação, não finja que você não está vivendo isso e admita que você está irritado.

Não tente fazer a sua irritação desaparecer pela janela, porque isso não vai acontecer. Existe um motivo para você estar irritado. A irritação, diferente da raiva, não é uma emoção que dá e passa. Ela é uma emoção que tem um motivo para você estar sentindo, pode ser também uma questão hormonal em que você tenha um desiquilibro que te cause a sensação de descompasso. Importante é saber que a irritação sempre tem um motivo por trás.


Qual é o motivo de você estar irritado? O que te deixou desconfortável e com a sensação de estar fazendo algo que não deveria e não gostaria?


Você está fazendo algo contra a sua vontade? Está fazendo algo que não queria fazer?


Quem fez essa escolha dessa situação que está me deixando desconfortável, fui você que fez essa escolha?


É importante que você traga a responsabilidade da sua irritação, se ela é uma questão que você tem como modificar ou se nesse momento você não tem como modificar.

Por exemplo: tem alguém na minha família muito doente e eu estou cuidando dessa pessoa e está muito difícil porque estou muito cansado e não tem mais ninguém me ajudando.

Pergunte-se: a escolha foi sua? Sim, eu quero cuidar dessa pessoa, então você terá que ver como fazer para não se sentir em desajuste e tão solitário nesse processo.

Se for uma questão de como você está tratando alguém, se é um estilo de vida que você está levando e se estiver em suas mãos modificar, você parte para um plano de mudança que consiga efetivar gradativamente e que melhore o seu descompasso com você mesmo.


Processo corporal


O processo corporal, após aplicar o exercício de processo mental, você vai praticando enquanto você estiver irritado, uma respiração mais calma, não precisa ser, necessariamente, uma respiração diafragmática, mas é importante você tentar respirar mais calmamente. A irritação tende a nos deixar com a respiração mais curta, nos levando a uma falta de paciência maior.


O que você pode fazer que irá ajudar, corporalmente, a diminuir essa irritação, uma vez que você já fez os três exercícios mentais?


Fazer trabalhos manuais, como: trabalhar com massinha, cozinhar, entrar na água, caminhar. Movimentar o corpo e fazer com que a sua mão trabalhe manualmente te ajuda a sair desse espaço de impaciência, mas você tem que estar consciente para fazer isso.

O último ponto é uma regra de ouro: uma vez que você já fez tudo isso, espere. A sua irritação vai passar, não queira que ela vá embora imediatamente. Ao fazer esse processo, em algumas horas, você vai deixar de estar irritado, o seu corpo já terá acentuado e você se validou. E, mesmo que você continue com o desconforto, a sua irritação diminuiu porque você deu um espaço, pensou sobre a sua emoção e fez, fisicamente, algo para ela parar.

Se você fizer de tudo para a sua irritação passar, ela vai aumentar; você irá ficar cada vez mais tenso e isso vai te causar mais uma sensação de descompasso e irritação.

Espere, faça os exercícios, reconheça, converse com alguém (verbalize) e espere ela passar.

Esse é o grande segredo desse processo de irritabilidade, primeiro não engolir, fazer o que tem que ser feito e esperar. Apesar de parecer simples, quando estamos muito irritados, queremos que essa sensação vá embora de uma vez e, ao querer sanar, continuamos produzindo mais irritabilidade.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo